Ele está velho, pode ser o último aniversário dele

Postado por Mila Orrico

Esqueçam isso de acreditar que os mais velhos desencarnam primeiro, sempre pode ser o último aniversário de qualquer pessoa do mundo, inclusive o seu ou o meu.

Certa vez escutei a frase: “quando você quiser visitar ela já vai estar no caixão, não vai mais dar tempo”. Lembro que pensei… o simples fato de alguém “estar velho” não é por si só um bom motivo para me estimular a visitar esse alguém, principalmente se o estímulo chega como ameaça. E foi inócuo pra mim, se você é cristão ou espiritualista você sabe bem que a vida continua, então sempre vai ser possível um reencontro, mesmo que seja no plano espiritual, basta ter vontade e merecimento. Importante é visitar sempre, não apenas no aniversário, mas principalmente no aniversário.

Um bom motivo para encontrar alguém é o amor que essa pessoa desperta em mim, como ela me faz sentir querida, acolhida, e como eu me sinto bem quando estou com ela. Uma visita não deve ser um ato que traduz o cumprimento de uma obrigação, feita assim tem pouco valor. Uma visita a alguém deve ser um ato de Amor.

A vida não dá garantias, ame agora como você puder amar, não como os outros querem que você ame, e também não exija que os outrem amem à sua maneira. A vida é única e os corações são independentes. Não se apegue as complicações e entraves do dia-a-dia.

Enquanto estava encarnado eu visita meu vô Zé Vicente sempre que podia, eu sabia que ele realmente gostaria de estar comigo, estar com ele era uma troca linda de muito amor. Se demorava muito minha mãe de forma muito gentil me falava: vamos Mila, ele deve estar com saudade. Esse sim é um doce incentivo.

Do bebê ao idoso a única certeza que se tem quando se nasce é que iremos retornar para a vida espiritual, para o local de onde partimos, e que isso pode acontecer a qualquer momento. Independente da idade e da expectativa será sempre uma surpresa infeliz, então não se apegue as decepções e aproveite as alegrias de cada dia.

E quando for a minha vez, lembrem de não exagerar no choro, pq eu sou uma pessoa alegre e positiva, com certeza iria encontrar uma forma de lhe fazer rir ou iria lhe sacudir, pra lhe fazer compreender que a vida continua onde quer que estejamos, e que no céu, assim como todos, eu vou reencontrar muita gente boa que conheci por aqui.

Zé Vicente

Pra ter valor é preciso fazer bem ao coração.

Zé Vicente

 

Quando você tem uma casa espiritual na Terra

Postado por Mila Orrico

Certa vez em uma doutrinária ouvi Lívia Pereira, a fundadora do Centro Espírita onde trabalho, nos dizer que a missão dela era construir a nossa casa espiritual na Terra. De forma simples, esta fala teve um impacto grande em meu coração, minha mente se expandiu com a ideia de quão importante é a existência desta casa para seus trabalhadores. Quão afortunados somos por ter aqui na Terra um local de cura do Espírito. É para lá que vamos curar nossas angústias, curar nossas frustrações, curar nossas dores morais, curar nossa falta de fé, curar nossa descrença no Evangelho, curar nossa ignorância em relação às leis de Deus. Na Casa da Caridade Irmã Elisabete aprendemos na prática que essa cura acontece sempre através do trabalho, que é coordenado pelos bons Espíritos, orientados por Jesus.

Quando você tem uma casa espiritual na Terra você nunca se sente só, você tem a convicção de que naquele lugar existem pessoas encarnadas e desencarnadas dispostas a lhe amparar, lhe acolher, dispostas à fazer você caminhar, mesmo quando você não está lá. Mesmo nos momentos mais difíceis você sabe que será envolvido por todos as boas vibrações possíveis, que lhe darão força para continuar.  Em uma casa espiritual você adquire, aos poucos, a convicção de que dor é uma ferramenta que existe para que nosso coração seja burilado, e principalmente, você tem o estímulo necessário para instruir sua alma com o que é necessário para começar a compreender sobre a imensidão da vida humana. Eu sou feliz nesta vida, e grande parte desta bem-aventurança tem a grande contribuição da existência deste local.

A minha casa espiritual é uma casa espírita, mas não acredito que esta é uma característica exclusiva do Centro Espírita. Penso que podemos encontrar esta casa em qualquer lugar que reúna qualquer conjunto de pessoas dispostas a orar e auxiliar outras pessoas em suas necessidades espirituais, dispostas à agir com Caridade. Caridade significa “amor à Deus e ao próximo”, e uma casa espiritual é um lugar onde Caridade é um exercício diário, inclusive caridade para consigo próprio.

A cada novo aniversário desta minha casa eu sinto renovado o sentimento de gratidão à Lívia e a Irmã Elisabete. Gratidão por poder trabalhar em minha casa espiritual na Terra, pela oportunidade de conviver em um lar espiritual! Neste último sábado tivemos mais uma vez um Feliz Aniversário!

Parece-me que no Céu

a minha missão será atrair as almas

ajudando-as a sair de si

para se unirem a Deus

por um movimento bem simples e amoroso

e a guardá-las

nesse grande silêncio interior

que permite a Deus

 imprimir-se nelas

transformando-as em si.

– Irmã Elisabete

Bolo Casa da Caridade Irmã Elisabete

 

A Casa da Caridade Irmã Elisabete é um lar. O que é um lar? Um local onde sempre sentimos vontade de voltar. Lar é um local onde quando chegamos somos recebidos com amor, com sorrisos, com palavras exclusivas de saudade e acolhimento. Não importa se você esteve lá a pouco ou muito tempo, é um local onde sempre somos envolvidos em abraços fraternos por nossa família. O que é família? É o conjunto de pessoas que nos amam, e por isto nos auxiliam a caminhar em nossa reforma íntima, estão sempre dispostas a compreender nossas falhas, são aqueles que nos fazem sentir vontade de ser pessoas melhores.

Rendo graças a Deus, pois tive a benção de reencontra-los, e tenho a oportunidade de conviver com minha família espiritual, aqui na Terra!

 

As respostas de Chico

Postado por Mila Orrico

Olá Pessoas Agradáveis,

Algo que sempre me impressionou em Chico Xavier foi como ele conseguia responder com assertividade, clareza, de forma suscita e sempre com larga dose de doçura às perguntas diversas que lhe faziam, e principalmente às ofensas que lhe dirigiam. Suas respostas sempre eram pautadas no Evangelho, e eu quero taaaaanto aprender com ele.

Lendo os livros que ele psicografou a gente consegue entender que esta atitude equilibrada é resultado do convívio com os Espíritos mais burilados, mas além disso é resultado de muita disciplina para com as próprias emoções, o verdadeiro manejamento da vontade.

No mês passado, com o filme As Mães de Chico foram concluídas as comemorações pelo centenário do querido Francisco Cândido Xavier. E, embora ele não esteja mais entre nós em corpo, sua presença em Espírito é sensível, e sua lembrança inesquecível.

Quando Chico regressou novamente à Terra, ou nasceu, para os mais tradicionais, o Livro dos Médiuns comemorava seu 50º aniversário. Será que este retorno à Terra foi  um presente à esta obra que Allan Kardec codificou? Eu acho que sim! Para mim e para muitos outros ele foi o médium de Jesus. Acredito que seu nascimento foi um presente ao Espiritismo, e por consequência um presente ao nosso planeta.

A obra literária de Chico é vasta (olha aqui a bibliografia completa), mas a sua maior obra, assim como a de Jesus, foi a dos bons exemplos que ele nos deixou. É na exemplificação que o servidor do Cristo resplandece. Chico nos mostrou que é factível e real a possibilidade de vivenciar a  regra de conduta que é a pedra filosofal do Espiritismo: fora da caridade não há salvação.

Falando em caridade, literalmente “more than words”, esta é a palavra que define o maior mandamento ensinado por Jesus : amor à Deus e ao próximo. Na prática, o termo “caridade” define muito mais atos do que a descrição paupérrima do dicionário:  esmola, favor.

Assim como há várias formas de amar, podemos identificar alguém que é caridoso, que ama à Deus, de milhares formas, mas é fácil concluir que apenas se auto-intitulando caridoso não é uma delas. De maneira simples e assertiva, como Kardec tanto apreciou, amar a Deus é FAZER o bem.

Chico nos deixou 451 livros psicografados, mas, muito mais que isso, na Terra, Chico foi um manancial de caridade. A humildade foi atitude constante em sua vida, da mesma forma em que Jesus que foi a excelência em humildade não se auto-intitulou perfeito,  nem ser qualificado como “bom” ele aceitou, Chico também nos presenteou com grande modéstia e pureza de coração quando em diversas vezes rejeitou a fama de homem perfeito e iluminado que lhe quiseram atribuir.

Deixou sempre muito claro que, não por sua vontade, ainda conservava valores íntimos menos admiráveis, e que assim como nós, ainda se encontrava na maior luta do ser humano: vencer a si próprio. Não, segundo a sua própria opinião, ele não era um Espírito de Luz.

Certa vez recebi um e-mail interessantíssimo, de minha grande amiga Ítala Braga, com temas diversos, onde é possível clicar no tema e ler algo que Chico falou sobre o determninado tema. Não sei de quem foi esta valorosa idéia, mas que seja sempre útil a todos nós.

Respostas de Chico Xavier

Clique em qualquer tema que você quiser e obterá a resposta.